sábado, 1 de julho de 2017

... de autor


Eu tinha-o conhecido há muitos anos, algures no mundo. Sabia, desde então, que nunca fora nem iria ser um diplomata excecional. Fazia apenas o essencial, cumpria os mínimos, dava ares de tentar aproveitar os postos o melhor que podia. Em consequência desta postura pouco ambiciosa e empenhada, a sua carreira foi o que foi: mediana. Como tinha uma vasta rede de amigos, cultivava-os nas suas colocações no estrangeiro, acolhia-os por ali, organizava festas, tinha fama de divertido e espirituoso. De certa maneira, eram esses conhecimentos que acabavam por protegê-lo na sua capital.

Todos os seus colegas ficaram curiosos quando, um dia, ele foi nomeado embaixador. Como iria chefiar um posto? Não desiludiu. Tornou a embaixada que passou a dirigir, localizada numa capital pouco relevante, num local movimentado, sem que daí, porém, resultassem resultados significativos para os interesses do país que representava - um Estado com alguma importância, que dele exigia algo mais. 

Mas o seu consabido estilo sobrepunha-se a tudo. A residência da embaixada fora por si decorada de uma forma tida como bizarra, típica da sua personalidade, bem distante daquilo que era a matriz normal, discreta e funcional, habitual nos postos diplomáticos daquele país. Também a chancelaria acabou por ter um ambiente pouco comum, quase "caseiro", cheia da notas pessoais, sem a "neutralidade" típica desses locais. Para cúmulo, o secretário de embaixada que lhe coube em rifa era também um "cromo" pouco conforme com os padrões da diplomacia do país. Dizia-se que ver o embaixador e o secretário chegarem a uma receção, vestidos ambos de um modo pouco vulgar, era um verdadeiro espetáculo. Com todos os relatos recebidos, a diplomacia desse país começou a cansar-se dele, correndo as versões mais fantasistas sobre o dia-a-dia aquela embaixada.

Um dia, num jantar, encontrei um diplomata "chevronné", colega de carreira do nosso homem, que por acaso o visitara recentemente no país onde este estava colocado. Estava curioso em conhecer o resultado da sua observação "in loco", pelo que logo inquiri sobre quais tinham sido as suas impressões. O velho diplomata, que já tinha visto muito e de tudo, sorriu e, numa expressão curta, em que tudo disse, descreveu-me o posto diplomático: "Sabe, aquilo é uma espécie de 'embaixada de autor' ". Percebi. 

1 comentário:

Anónimo disse...

Tópicos da silly season:
- Maria João Rodrigues, futura Comissária Europeia, na presidência da FEPS, depois de Renzi tirar o tapete a D'Alema;
- Berlusconi de regresso ao poder, imparável;
- A austeridade fofinha e as dificuldades do crescimento económico de Portugal (João César das Neves);
- a sangria do PS francês (depois de Valls, Hamon);
-Le Pen filha, a contas
- o ministro do ambiente inglês, reciclado, depois de andar metido em jornalista a fazer entrevistas a Trump;
- ...