sábado, 15 de julho de 2017

Século XXI?

Ontem, por um mero acaso, surgiu-me no Twitter uma entrevista, a uma televisão canadiana, do lider checheno, em que este profere algumas opiniões "medievais" àcerca do tratamento dado aos homossexuais naquela República russa.

Ainda não estava refeito do primarismo que transparecia daquela entrevista quando vi alguns extratos de declarações do professor Gentil Martins, nas quais este distinto cirurgião profere opiniões que colocam a homossexualidade ao nível das doenças e perversões.

Há dias em que parece ser legítimo desconfiar que há setores do mundo que ainda não entraram no século XXI. 

8 comentários:

Anónimo disse...

Aí está: como um genial cirurgião pode ter, simultaneamente, um cérebro capaz de uma destas... Como tem não sei quantos filhos e, creio que li algures, 28 netos, tem uma boa probabilidade de ter que «engolir» estes comentários

Anónimo disse...


Nunca percebi porque razão é que os homossexuais são diferenciados do resto da população.

Será porque praticam um estilo de vida diferente do resto da população dos locais onde vivem.

A palavra "gay" muito utilizada para este estilo de vida, se nos anos 50 do século passado era depreciativa, hoje é completamente aceite sem problema. Esta palavra apareceu na Europa principalmente em Inglaterra porque aí os homossexuais eram considerados pessoas alegres e muito comunicativas.

Claro que se olharmos para as manifestações "gays" poderão parecer excessivas e isso faz com que algumas pessoas não percebam esse carnaval.

Viverão todos os homossexuais nesse permanente carnaval?

Se sim, é mormal que o comum dos membros das comunidades duvidem da seriedade dos carnavalescos. Mas não posso crer que assim seja porque a vida não permite isso por muito tempo.

Haverá homossexuais não "gays" e de hábitos iguais aos dos seus visinhos?

Deveria-se estudar quais as razões sólidas dos homossexuais serem de certa forma discriminados socialmente ainda hoje em dia.

Anónimo disse...

As Opiniões dos ditos senhores não são de certeza Medievais uma vez que as expressam no século XXI e já expressariam no XX.

A do médico partilha muito da mundividência do meio-irmão Rosa Casaco. Separados pela mãe, unidos pela mentalidade.

diogo disse...

século XXI , aceitar a homossexualidade ou capitularmos ao lobby gay ???
pergunta provocadora : quando a igreja aceitar os casamentos homossexuais vamos finalmente ver os padres a casar ?

patricio branco disse...

pois o sr achou que tinha chegado a altura ou idade de dizer o que pensa embora não se deva dizer tudo o que se pensa, há coisas para guardar, esconder, mentir isso não, calar, isso sim.
mas a ordem dos médicos que não se preocupe nem perca tempo com o eminente oncologista, é deixa-lo, há outras coisas mais importantes, vidas que se perdem devido a erros crassos de diagnósticos, tratamentos, cirurgias, atrasos, demoras, ambulâncias que não chegam, doentes esquecidos nos corredores, deixem o gentil, ou digam-lhe que o que disse aborreceu muita gente, ou que escandalizou, pode ser que ele não volte a falar disso e fale doutras coisa que também escandalizem ou então que encantam, pois, pois, etc etc

Rosario disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Mas agora todos temos que aceitar essa anomalia???

Anónimo disse...

Gentil Martins é que está velho, mas Patrício Branco é que anda falho de memória. O cirurgião nunca deixou de afirmar outra coisa que um fundamentalismo católico e reaccionário. São repetidas as suas afirmações de falta de respeito por humanos concretos. É irem aos arquivos.

Faz há muito parte de um certo quadro mental num país que tem entregado as coisas da ética médica à padraria.